Governo do Ceará deixa faltar vacinas e medicamentos no Hospital Regional de Iguatu, afirma direção

Abril 7, 2016 Sem comentários »

A reportagem do portal Iguatu.net foi procurada pela direção do Hospital Regional de Iguatu, onde recebeu a denúncia que alguns medicamentos estão faltando na unidade de saúde e que são de responsabilidade do Governo do Ceará.

É o que afirmaram durante entrevista a diretora do HRI, Graziele Martins e a Secretária Adjunta de Saúde, Ana Laura, ambas apresentaram dados que demonstram a preocupação.

Vacinas como as de Hepatite B, dupla DT estão faltando com frequência, “são vacinas importantes, principalmente a Hepatite B que é a primeira vacina para os bebês, esta tem uma falta com frequência e quem nos envia é o estado do Ceará”, disse Ana Laura.

A vacina anti-rábica também está faltando com uma certa frequência, a Raiva é transmitida pela saliva do animal e em humanos quase sempre leva a morte. “É uma doença fatal e as pessoas correm um sério risco de morrer caso não sejam vacinadas ao ser mordidas por algum animal doente. É obrigação do governo o envio desta vacina que muitas vezes não existe aqui no HRI”, alertou a diretora Graziele Martins.

Na unidade de saúde não existe os soros anti-rábico e diftérico, “ estes são mais preocupantes, porque não existe atualmente em nosso hospital, e o governo do estado não dá uma resposta com uma solução para este problema, o soro anti-rábico, que é indicado para pessoas que tenham sido mordidas em regiões periféricas do corpo por animais de procedência desconhecida está faltando há três meses, já o soro diftérico está em falta há um mês”, destacou a diretora do HRI.

Mas a falta de algumas vacinas não são os únicos problemas, medicamentos como o Misoprostol que realiza a indução do parto está em falta no Hospital Regional de Iguatu há mais de um ano.

“ Sempre enviamos um relatório para a secretaria de saúde do Ceará, mas nunca recebemos este medicamento, então a prefeitura de Iguatu é quem está comprando os comprimidos que custam cada unidade R$ 22,40 e entregamos as pacientes que precisam dele, mas volto a dizer, isto não é responsabilidade da gestão municipal e sim do governo estadual”, lembra a sec. adjunta de saúde, Ana Laura.

Outro medicamento é enviado, mas não atende a demanda de Iguatu e região, “ estamos falando da imunoglobulina, a Secretaria Municipal de Saúde de Iguatu, teme a falta deste medicamento aos pacientes do Sistema Único de Saúde . O medicamento, desenvolvido a partir do plasma (do sangue), é utilizado no tratamento de casos graves de deficiências imunológicas. Para algumas pessoas este remédio é vital”.

” Neste processo, o prefeito Aderilo Alcântara faz a sua parte, comprando medicamentos para o público alvo que são as gestantes e mesmo com enorme dificuldades, consegue levar a esperança para estas crianças que estão para nascer ou chegam ao seu primeiro mês de vida. Não podemos mais aceitar esta situação e vamos procurar todos os mecanismos para acabar com isto”, finalizou a sec. Ana Laura.

A reportagem do portal Iguatu estará entrando em contato com a Secretaria de Saúde do Ceará nesta quinta-feira,07.

Assista a entrevista com as representantes da saúde em Iguatu:

 

Assunto Relacionado

Comente